Riqueza Natural

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Pais publicam fotos de crianças com farda após PM retirar post polêmico






PM publicou imagem de menina com cassetete em site oficial.
Corporação retirou post e militares passaram a publicar fotografias.


Após a foto de uma bebê fardada com algemas e cassetete gerar polêmica nas redes sociais, campanhas surgiram na internet para que pais divulguem mais fotografias de seus filhos menores com uniformes. A imagem da menina foi publicada nos sites oficiais da Polícia Militar (PM) de São Paulo e, posteriormente, foi retirada pela corporação.

Além de fotos de crianças fardadas, internautas militares ou simpatizantes de todo o país postaram vídeos em repúdio àquelas pessoas que criticaram a foto da bebê fardada com armamento.

Entre as fotos quer circulam na web em apoio à divulgação da imagem da bebê fardada estão algumas com crianças segurando ou portando na cintura o que parecem ser armas -pela imagens não é possível saber se são verdadeiras ou de brinquedo.

Outras também posam com equipamentos militares. Há até uma foto antiga, atribuída ao ano de 1932, com crianças usando uniformes ao lado de um canhão. (Em 1932, o estado de São Paulo estava mobilizado em um conflito armado, a Revolução Constitucionalista.)


Foto de crianças uniformizadas ao lado de canhão, atribuída ao ano de 1932 (Foto: Reprodução / Facebook)
Essas imagens estão sendo publicadas e compartilhadas em comunidades ligadas a militares no Facebook.
“Vai ter criança fardada sim seus imbecis vagabundos!”, informa trecho de um texto numa das páginas de um dos grupos que mostra um recém-nascido vestido com uma camiseta em alusão a uma das tropas da PM.
“Preocupem-se em cuidar das Crianças desamparadas, use seu poder e dinheiro em favor dos pequenos oprimidos e para de se incomodar com aqueles que seguem princípios e tradições”, escreveu um internauta sobre uma foto que mostra quatro crianças fardadas, com boinas e cintos.
"Eu prefiro ver crianças fardadas do que vê-las entregue ao crime [SIC]", informava a frase sobre a fotomontagem que exibe crianças vestidas como policiais ao lado de outra com um garoto armado representando um bandido.

A foto da bebê uniformizada, com algemas e cassetete, que desencadeou essa avalanche de novas imagens de crianças uniformizadas havia sido divulgada no último dia 2 no Facebook e Twitter da PM de São Paulo. Mas ela acabou retirada pela própria corporação, dois dias depois que o G1 publicou reportagem sobre o debate na web por causa da imagem.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Polícia Militar havia informado que a decisão de retirar a foto ocorreu por causa do "mal-entendido". A publicação da fotografia da bebê estava recebendo críticas e elogios na ocasião.
Naquela oportunidade, Ariel de Castro Alves, coordenador estadual do Movimento Nacional de 
Direitos Humanos e um dos fundadores da Comissão da Criança e do Adolescente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), tinha dito à equipe de reportagem que a exibição da foto violava o artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento”, com pena de seis meses a dois anos, segundo afirmou Alves. “A criança é colocada em uma situação constrangedora, vexatória. Foi exposta com uma arma, ainda que não seja uma arma de fogo, mas armas usadas para reprimir, como o cassetete e a algema para prender".
O coordenador pedia a retirada da foto ou a retratação da corporação por entender que ela poderia gerar problemas para a criança no futuro. “Por ela ter sido colocada com símbolos de repressão e violência de uma polícia vista como repressiva, ela pode passar por situações de constrangimento na escola”, disse.
Castro também afirmou nesta quinta-feira (11) que já pediu ao setor de Direitos Humanos do Ministério Público (MP) de São Paulo que analise o caso.
A Polícia Militar, por meio de sua assessoria, tinha rebatido as críticas na internet, informando que as fotos publicadas nas redes sociais são enviadas por internautas. Além disso, informou em nota, que a farda simboliza, entre outras coisas, "honra" e "civismo".
Ainda na semana passada, em nota à equipe de reportagem, a Polícia Militar informou que a mãe da criança havia interagido com a publicação, agradecendo a corporação pela divulgação da foto num comentário. Procurada pela TV Globo, a mulher afirmou, no entanto, que não autorizou a publicação. Disse ainda que a imagem foi feita em um ensaio fotográfico com a criança.





←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com ofensas não serão aceitos.