Riqueza Natural

sábado, 11 de abril de 2015

Adrilles conta por que ainda mora com a mãe e fala da vontade de ter filhos



drilles pediu e o Gshow atendeu! Ex-brother posa para ensaio sensual (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)
Tem que ser algo caricato e histriônico.” Quando topou mostrar todo seu charme e sensualidade para as lentes do Gshow, Adrilles indicou o caminho que queria seguir nos cliques: o bom humor. Vestido de marinheiro ou apenas com o roupão usado pelo líder do BBB, o ex-brother se divertiu e fez até pose lendo poesia enquanto exercitava o muque.
Mineiro de Belo Horizonte, o escritor de 40 anos ainda mora com a mãe e não se importa muito com isso. “Para que mudar se eu me dou tão bem com ela?”, questiona ele, que só sai de lá casando. E no futuro do brother também tem espaço para filhos.
“Tenho uma certa pulsão por ter filhos sim. Cada texto meu é uma espécie de filho. Eu sublimo essa falta no afã por construir minha literatura”, revela.
Pulsão? Sublimar? Afã? Oi? “Tenho um vocabulário tão histriônico quanto a minha personalidade”, avisa o brother. Dicionário em mãos? Então leia a entrevista completa com o poeta, em que ele fala sobre sua paixão por Tamires, a decepção que teve com Fernando, seu jeito esquisito e muito mais. Confira:


Às vezes não dou conta de fixar certas regras em mim e extrapolo', confessa (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)

Por que você se considera um homem esquisito?
Me considero um ser estranho, esquisito às vezes, porque tenho uma certa dificuldade de me encaixar em padrões de normalidade. Eles envolvem certa hipocrisia social necessária ao convívio humano. Só que, às vezes, eu não dou conta de resolver certas coisas, de fixar regras em mim e extrapolo essa hipocrisia em nome de algo a mais, de um convívio maior, mais direto com outro ser humano.
Quando você era criança e adolescente, teve problemas de convivência?
Na minha adolescência, eu era uma espécie de Dom Casmurro, de bicho encasulado em mim mesmo. Tinha uma timidez imensa. Vivia cercado de livros, de eruditismos, de poemas, de peças. Esse era o meu mundo. Depois que eu rompi com a adolescência, me tornei exatamente o avesso do que eu era. Através dos livros, percebi que a gente conhece pessoas, consegue sintetizar e unir isso. O convívio humano é necessário inclusive para a subsistência da literatura. Tudo que eu nunca quis ser é um subintelectual pernóstico encasulado dentro de mim mesmo. Consegui romper com isso.

Você acha que é por causa disso que muitas pessoas acabam pensando que você é gay?
Fui criado por avó e tias. Muita gente acha que eu sou gay por isso. Minha voz é fina, o meu jeito é histriônico, meio bufônico. Não tenho nada contra o universo homossexual. Sofro terrivelmente pelas mulheres. Tive paixões absurdas, absolutas. Não preciso dizer, as pessoas perceberam isso. Eu me jogo inteiramente nas relações, me jogo até nas possibilidades de relações. Admiro muito os gays, gosto muito deles, mas a mulher é o signo máximo da beleza e do desejo humano em todas as acepções do termo.
Eu me jogo inteiramente nas relações', confessa Adrilles (Foto: Felipe Monteiro / Gshow
Você acredita no amor eterno e no casamento?
Eu sou suficientemente romântico para acreditar em amor eterno, principalmente aqueles que não são correspondidos. Eles projetam para a eternidade a possibilidade do que poderia ter sido e não foi. Isso alimenta essa utopia. Mas sou cético e realista para não crer na possibilidade do casamento eterno porque eu acho que o cotidiano permanente mata aquela coisa da paixão, da descoberta. O melhor tempero é a fome. Infelizmente, esse romantismo tende a se anular ao longo do tempo. Você pode reconquistar a sua mulher várias vezes, reconquistar essa possibilidade de amor sempre, se estiver disposto a isso.
Sua suposta fama de perseguir moças da internet virou um assunto fora do confinamento. Isso te incomodou?
Fui injustamente chamado de perseguidor de mulheres porque eventualmente eu faço a corte a elas. Tenho um vocabulário tão histriônico quanto a minha personalidade. E as pessoas me acusavam de querer manter um pré-noivado virtual e interestadual como se isso fosse uma coisa séria. Eu tenho uma linguagem e um modo de ser muito irônico. Tenho 40 anos. Já cortejei muitas mulheres na vida. Sou solteiro. Se ir atrás de mulheres me torna um perseguidor de mulheres, então sou um perseguidor de mulheres utópico, meio patético até. Mas não persigo a ponto de incomodar. Não que eu tenha sabido.
Adrilles define Fernando como seu maior desapontamento no BBB (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)
Apesar de ser cético quanto ao casamento, você tem vontade de juntar com alguém e seguir uma vida com uma mulher?

Que não seja imortal posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure.” Isso é um lema. O autor desse verso, Vinicius de Moraes, foi casado nove vezes. No instante em que a gente se apaixona, a gente percebe, acha e crê que aquilo será eterno. Eventualmente, as circunstâncias e o destino talvez não façam com que seja eterno. Mas essa busca e um amor concreto, que alimente a nossa alma, o nosso espírito e que faça a gente feliz, pelo menos pela brevidade de um segundo que se projeta na eternidade, é isso que eu quero.
Adrilles com suas duas paixões: leitura e exercício (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)Você mora com a sua mãe e vocês são muito próximos. Seus dias no Big Brother Brasil foram o maior tempo que você passou longe dela?Foi o máximo de tempo que fiquei separado da minha mãe. Senti uma certa saudade sim, mas por R$ 1,5 milhão eu teria ficado mais uma semaninha a mais. Infelizmente não deu. Não tenho problema nenhum em morar com ela. Me alimento do afeto que eu tenho por ela. Ela não inibe a minha independência. Os nossos horários quase nunca coincidem. Agora, minha mãe tem filho único. Eu também tenho uma única mãe. Ela é superjovem, casada com um cara praticamente da minha idade. Então para que mudar se eu me dou tão bem com ela? Quando eu achar um casamento com essa brevidade eterna enquanto dure, talvez eu mude de casa. Porque aí morar com sogra ninguém merece, por mais que seja minha mãe.Tem vontade de ter filhos?Tenho uma certa pulsão por ter filhos sim. Não exatamente nesse momento porque eu não tenho a pressa do relógio biológico que uma mulher tem. Mas eu acho que cada poema, cada texto meu é uma espécie de filho. Eu supro essa falta, eu sublimo essa falta nesse meu afã por construir minha literatura.
De marinheiro, Adrilles se diverte durante clique (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)

Você sempre cuidou do corpo?
Passei toda a adolescência sendo tachado de magrelo, cabeçudo, espinhento e míope. Tentei lapidar meu corpo para não ficar nesse estereótipo a vida inteira e romper alguns paradigmas do sub-intelectual raquítico. Construí alguns músculos. Não melhorou grande coisa. Continuei cabeçudo e baixinho, meio míope e meio vesgo, mas eu melhorei um pouquinho ao longo do tempo pelo meu esforço pessoal. A gente melhora em tudo. A gente melhora nossa criação literária, nossa criação estética. O meu objetivo é ser o mais belo exemplo anatômico de poeta metafísico.
Adrilles explica o porque de ser tachado de gay: 'Fui criado por avó e tias' (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)

Sobre sua paixão pela Tamires e o que rolou com ela na casa do BBB, ela te pediu desculpas?
Tamires me procurou, falou que foi uma falha de comunicação, me pediu desculpas. Eu também me desculpei por um certo tom um pouquinho obsessivo que eu tive em relação a ela. Tive uma paixão de verão pela Tamires. O que a gente faz na clausura? A gente se apaixona. Não tenho nenhum problema com rejeição, com ela não ter se apaixonado por mim. A única coisa que me incomodou foi ela ter dito que não queria mais que eu expressasse o que sentia. Isso tolhia de certa forma a minha liberdade. Mas eu continuo gostando muito dela. Talvez mais do que deveria ainda, mas é uma grande amiga, uma pessoa formidável, que merece ser feliz, merece toda a felicidade do mundo.
O seu maior desapontamento na casa foi o Fernando?
Foi. Eu acho que ele tem um trabalho extraordinário aqui fora. Isso não conspurca o caráter dele, considero ele uma grande pessoa apesar de, na casa, ter agido de uma maneira um tanto quanto dissimulada em relação a mim. Jamais o julguei por ter ficado com duas mulheres, por ter se aproximado da casa toda. O problema é, como eu falei com ele inclusive e ele concordou, o cuidado com o outro que você magoa, que você considera que é seu amigo. Ele derrapou várias vezes nesse sentido.
Durante entrevista, Adrilles diz que não acredita no casamento (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)
Ex-BBB começou a cuidar do corpo porque era tachado de magrelo (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)
Adrilles abre o jogo sobre a fama de perseguidor de mulheres (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)

Me considero um ser estranho, esquisito às vezes', confessa (Foto: Felipe Monteiro / Gshow)


Produção: Eduardo Wolff e Tatiana Machado
Agradecimento:
Ramada Hotéis & Suítes
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com ofensas não serão aceitos.