Riqueza Natural

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O surgimento do papel moeda no Brasil!



Das cartas às modernas cédulas: a história do papel moeda no desenrolar da economia brasileira.

Para compreendermos o surgimento do papel moeda no Brasil, devemos primeiramente levar em conta o próprio desenvolvimento da economia deste país. 

Ao longo dos séculos, especialmente no período colonial, observamos que as transações comerciais foram praticadas através do escambo (troca de mercadorias) e o uso de moedas de metal cunhadas com ouro e prata.

Até o século XVIII, não possuindo atividades tão complexas, a economia brasileira conseguiu manter suas atividades comerciais pelo uso dessas modalidades. 

Contudo, no século seguinte, começava a ficar latente a insustentabilidade de uma economia possuidora de um baixo montante de moedas em circulação. De acordo com algumas estimativas, a riqueza circulante em moeda girava em torno da cifra de dez milhões de réis.

Com a chegada da Família Real ao Brasil e a consequente abertura dos portos, a necessidade de se modernizar e agilizar nosso sistema monetário se tornou ainda mais urgente. 

Por isso, D. João VI ordenou a criação do Banco do Brasil, que passaria a desenvolver a emissão de papel-moeda em quantidade proporcional ao lastro oferecido pela quantidade do ouro presente nos cofres públicos. Dessa forma, a quantidade de dinheiro no mercado seria sustentada pelas reservas controladas pelo governo.

Em 1820, a saída de D. João VI estabeleceu uma séria crise na economia brasileira. Além de voltar a Portugal com sua família, o rei extraiu arbitrariamente as reservas disponíveis no país. 

Com isso, o papel-moeda brasileiro se desvalorizou e, logo em seguida, um grave processo inflacionário atravancou o desenvolvimento da economia nacional. Não por acaso, a questão do desenvolvimento instigou a realização de várias revoltas no Primeiro Reinado e no Período Regencial.

Ao longo do Segundo Reinado, o desenvolvimento da economia cafeeira, do setor de transportes e a tímida industrialização deram indícios de recuperação econômica. Contudo, os vários empréstimos buscados no exterior e a manutenção de uma economia agroexportadora forçaram um sistemático processo de desvalorização da moeda brasileira. 

Paralelamente, devemos ainda salientar que a monetarização da economia exigiu que o processo de fabricação do papel moeda fosse devidamente aprimorado.

Inicialmente, o papel-moeda era fabricado no molde de cartas, que eram preenchidas com o próprio punho. Por conta de seu difícil manuseio e a possibilidade de falsificação, as moedas foram se modificando até que pudessem ser utilizadas em escala cada vez mais ampla. 

Graças à modernização dos métodos de impressão, o papel-moeda brasileiro foi paulatinamente enriquecido com uma maior gama de detalhes aliados a um material mais leve e resistente.

Somente em 1942, já em plena vigência do governo republicano, foi que a moeda brasileira foi dos “réis para o cruzeiro. No século XX, ao longo de idas e vindas dos nossos instáveis índices econômicos, o papel moeda brasileiro foi modificado na intenção de se reestruturar o mercado interno. 

Em 1967, mediante a grave desvalorização do cruzeiro, o governo realizou sua substituição pelo cruzeiro novo. Três anos mais tarde, o cruzeiro voltou a ser adotado.

Em 1986, em mais um tentativa de contenção da exponencial desvalorização da moeda brasileira, o governo instituiu a criação do cruzado. Mais uma vez, não suportando os galopantes índices inflacionários, o governo criou o cruzado novo, com uma valorização de 1000%. 

Somente em 1994, através de um ousado plano de valorização monetário, foi que o governo teve capacidade de promover um quadro econômico relativamente estável com o real, moeda que ainda vigora em nosso sistema financeiro.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com ofensas não serão aceitos.