Riqueza Natural

terça-feira, 23 de julho de 2013

Histórias dos 12 túmulos.




Localizado em uma área nobre da Cidade de São Paulo, o Cemitério da Consolação é um grande museu a céu aberto. Por suas ruas e quadras estão espalhadas não somente algumas das figuras mais importantes e destacadas da história brasileira, mas também estão expostas, nos túmulos, algumas das mais belas e significativas obras dos mais famosos e variados escultores do país.
A Prefeitura do Município de São Paulo organizou há alguns anos atrás uma pequena cartilha dedicada aos turistas e curiosos que queiram passear pelo cemitério e apreciar um pouco da história e da arte que ali está. Entretanto, seria impossível fazer um guia pequeno e citar todas as pessoas realmente interessantes que jazem na Consolação.
Pensando nisso, o São Paulo Antiga percorreu o cemitério e foi atrás de outras personalidades importantes ou curiosas para a nossa cidade e que não constam no guia oficial. A busca resultou em quase uma centena de figuras e as primeiras 12 estão aqui. Vamos a elas!
1 – UM MEMBRO DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (Rua 12 / Terrenos 19 e 20)

Afonso Arinos de Melo Franco, ou apenas Afonso Arinos, foi um grande jurista, jornalista e escritor brasileiro. Autor de inúmeras obras literárias, foi levado à Academia Brasileira de Letras onde veio a ocupar a cadeira de número 40. Além de suas contribuições para a cultura, teve atividades importantes dedicadas a vida jurídica nacional sendo um dos criadores da Faculdade de Direito de Minas Gerais, onde lecionou direito criminal.
Afonso Arinos viveu seus últimos anos de vida na Europa e faleceu em 19 de fevereiro de 1916 durante uma viagem sua para Barcelona. É tio de outro importante político brasileiro o homônimo sobrinho Afonso Arinos de Melo Franco (falecido em 1990).
2 – O FUNDADOR DA CIDADE DE OSASCO ( Rua 16 / Terreno 15)

Antonio Giuseppe Agú, ou apenas Antonio Agu como é mais conhecido, foi um imigrante italiano e importante empreendedor no Estado de São Paulo. Fabricante de tijolos, sua indústria foi fundamental não só para a fundação como também para o desenvolvimento da cidade vizinha à capital paulista. Para escoar sua produção de tijolos, Agu trabalhou pela construção de uma estação ferroviária junto a sua fábrica de tijolos. Ao ser inaugurada 1895 os administradores da ferrovia queriam batizá-la com seu nome. Ele recusou a honraria e sugeriu o nome de Osasco, sua cidade natal na Itália, o que foi aceito. Nascia assim a Estação de Osasco e a seu redor a cidade que também leva seu nome.
Antonio Agu faleceria em 25 de janeiro de 1909, causando bastante comoção na vila que fundou . O cortejo de seu corpo desde Osasco até o Cemitério da Consolação em São Paulo foi acompanhado à época por centenas de pessoas, entre funcionários, parentes, amigos e admiradores.
3 – O BANDEIRANTE DO JORNALISMO PAULISTA (Rua 11 / Terreno 39)

É impossível falar da imprensa paulista sem mencionar o nome de Joaquim Roberto de Azevedo Marques. Bastante ignorado por aqueles que visitam o Cemitério da Consolação, Azevedo Marques é o homem que estabeleceu a pedra fundamental do jornalismo em São Paulo ao lançar em uma então pequena cidade que era a capital paulista, seu primeiro jornal diário, o Correio Paulistano.  Décadas depois de sua morte, em 1922, seu jornal seria o único periódico paulista a apoiar e acreditar na célebre Semana de Arte Moderna.
Azevedo Marques faleceu em 26 de setembro de 1892 aos 68 anos. O jornal Correio Paulistano permaneceu em circulação até o ano de 1964. A biografia completa do jornalista Joaquim Roberto de Azevedo Marques
4 – UM ESPÍRITA E ABOLICIONISTA (Rua 11 / Terreno 37)

Se há uma figura na sociedade paulistana que mereceria muito mais destaque, esta figura é Antônio Gonçalves da Silva, o popular Batuíra. Nascido em Portugal em 1839, foi um homem de incrível personalidade. Depois de passar pelo Rio de Janeiro e por Campinas, fixou residência em São Paulo, onde adquiriu diversos lotes de terra na região onde hoje está a rua Lavapés. Figura incrível, foi entregador de jornais (Correio Paulistano), fabricante de charutos e dono de teatro. Mas destacou-se principalmente pela figura bondosa que era ao acolher escravos fugidos em sua propriedade, o qual só os deixava partir se alforriados pelos seus senhores, e também por sua notável dedicação ao espiritismo.
Amigo de Azevedo Marques, conseguiu com ele a experiência necessária para em 1890 lançar o jornal Verdade e Luz, a primeira publicação dedicada ao espiritismo em São Paulo, e que na época conseguiu a façanha de ter uma tiragem de 5 mil exemplares. No final da vida abriu mão de todos os seus bens para os mais pobres e sua casa abrigou a instituição beneficente “Verdade e Luz”. Posteriormente em sua homenagem a rua onde morava foi batizada de Rua Espírita, que existe até os dias hoje. Batuíra viria a falecer em 22 de janeiro de 1909 e curiosamente está sepultado bem próximo de seu grande amigo em vida, Joaquim Roberto de Azevedo Marques.
5 – O GRANDE DEFENSOR DOS OPERÁRIOS

Ao falar de defensor dos trabalhadores, muitos talvez se lembrem somente de um ex-presidente da República, mas muito antes disso um grande cidadão paulistano já defendia os operários no início do século 20, em uma época em que os deveres eram muitos e os direitos eram quase nenhum. Este homem foi Afonso Celso Garcia da Luz, mais conhecido por Celso Garcia.
Defensor árduo dos operários, lutou especialmente pelos trabalhadores das inúmeras indústrias e pequenas fábricas que ficavam localizadas na região do Brás, Belenzinho e Mooca. Sua atuação sempre aguerrida pelos direitos trabalhistas o levou também à Câmara Municipal, onde exerceu mandato de vereador.
Faleceu no início de junho de 1908. Após sua morte a Prefeitura de São Paulo decidiu homenageá-lo renomeando a Avenida da Intendência, onde ele residia, para Avenida Celso Garcia, onde também for erguido o monumento em sua homenagem, que existe até hoje.
6 – UM GRANDE ARQUITETO

Francês que adotou o Brasil como sua pátria e São Paulo como sua cidade de coração, Victor Dubugras é um dos grandes arquitetos da história da capital paulista. Mesmo sem nunca ter sido diplomado, teve uma carreira brilhante repleta de obras bastante conhecidas pelos paulistanos. Uma das mais importantes foi a remodelação do Largo da Memória, para as comemorações do primeiro centenário da Independência do Brasil. Também pelo centenário projetou os Pousos e Monumentos da Serra de Paranapiacaba. No interior de São Paulo projetou a belíssima Estação Ferroviária de Mairinque.
Dubugras também desenvolveu uma série de outros projetos particulares residenciais e comerciais, tanto no centro de São Paulo como em bairros nobres como Vila Buarque, Higienópolis e Cerqueira César. Foi também um dos fundadores do Instituto de Engenharia em 1916. Dubugras faleceu em 1933 em Teresópolis e foi sepultado aqui no Cemitério da Consolação.
7 – UM NOVA-IORQUINO SEPULTADO EM SÃO PAULO (Quadra 58 / Terreno 23)

Muitos que passeiam por este cemitério deparam-se com este túmulo de um cidadão americano e se perguntam: Por que morreu tão jovem ? Por que ele foi enterrado aqui ? A resposta não é fácil, e levamos alguns dias para pesquisar e poder responder.
George C. Eck nasceu na cidade de Nova Iorque em 1873, ele veio para o Brasil logo na virada do século 20 para trabalhar como taquígrafo na empresa canadense Light and Power Company. Ele seguiu trabalhando entre os colegas brasileiros até o ano de 1912, quando adoeceu rapidamente e acabou vindo a falecer em 21 de abril. Seu óbtido foi lavrado pelo famoso Dr. Walter Seng que atestou morte por uma doença chamada noma (espécie de gangrena que hoje é comum apenas em locais muito pobres e insalubres).
Morto e sem qualquer familiar por aqui, os custos de enviar o cadáver para os Estados Unidos eram muito altos. Então seus colegas de trabalho alertaram a família nos Estados Unidos e optaram por um sepultamento aqui mesmo, em São Paulo. Eles compraram este túmulo no Cemitério da Consolação e ali o sepultaram. Por isso está escrito na lápide o termo “Erected by His Friends“(erguido por seus amigos).
8 – O AUTOR DO VIADUTO DO CHÁ (Quadra 22 / Túmulo 12)

Este túmulo discreto geralmente passa despercebido pelo turista, mas é ai que está sepultado um francês que tornou-se brasileiro e projetou a obra que foi crucial para o desenvolvimento da região central de São Paulo: O Viaduto do Chá.
Nascido na França em 1832, Jules Martin veio ao Brasil para trabalhar e só chegou em São Paulo depois de passar algum tempo em Sorocaba. Cartógrafo, desenhista, litógrafo e construtor, foi dele a primeira oficina litográfica da Província de São Paulo, a Litografia Imperial. Em meados dos anos 1870, surgiu a discussão sobre criar um viaduto sobre as plantações de chá pois para ir do centro antigo para o centro novo, a população precisava dar uma grande volta por entre um lamaçal e um denso matagal. Para erguer este novo viaduto era necessário demolir o casarão do Barão e Baronesa de Tatuí, cuja localização impedia a obra.
Em 1877 ele projetou o viaduto, mas a Baronesa fez de tudo para impedir a demolição de sua residência e isto atrasou o viaduto, que só seria demolido por completo 12 anos depois em 1889. A inauguração do Viaduto do Chá, em 6 de novembro de 1892, foi imprescindível para o desenvolvimento da Cidade de São Paulo. Jules Martin viria a falecer em 18 de setembro de 1906, não sem antes mudar os rumos da urbanização da capital paulista.
9 – A GAROTINHA QUE DÁ NOME A UMA VILA HISTÓRICA (Quadra 48 / Terreno 38)

Maria Zélia Street, é filha do famoso industrial brasileiro Jorge Street. Ela faleceu em 12 de setembro de 1915 com apenas 16 anos, quando a famosa vila operária de seu pai ainda estava sendo construída. Ao ser inaugurada, em 1917, a vila foi batizada com seu nome como forma de homenagem nascendo então a hoje famosa Vila Maria Zélia.
O nome da vila quase desapareceu por completo da história na década de 20. Em 1924, Jorge Street mergulhado em dívidas vendeu a fábrica e a vila para a família Scarpa que imediatamente mudou o nome do local para Vila Scarpa. O nome da vila só voltaria ao original em 1929, quando o Grupo Guinle tomou posse do local e decidiu restituir o nome original.
10 – O GRANDE FOTÓGRAFO DE SÃO PAULO (Rua 14 / Terreno 29)

Grandes personalidades da história de São Paulo passam ignoradas pelos órgãos públicos. E é assim, sem qualquer referência a sua presença ali que é tratado o célebre fotógrafo Militão Augusto de Azevedo, considerando um dos maiores fotógrafos brasileiros do século 19.
Nascido no Rio de Janeiro em 1837, Militão veio para São Paulo em 1862. Aqui começou a trabalhar com fotografia no Ateliê Carneiro & Gaspar onde era retratista. Posteriormente, em 1875, cria o estúdio Photographia Americana onde retratou grandes personalidades brasileiras como D.Pedro II e Castro Alves.
Além do trabalho em estúdio, são importantíssimos para a história da Cidade de São Paulo seus famosos álbuns comparativos,que hoje são registros iconográficos únicos sobre a memória arquitetônica de uma São Paulo antiga que hoje praticamente não existe mais. Militão faleceu em 24 de maio de 1905.
11 – O FUNDADOR DAS LOJAS PIRANI (Rua 4)

Já ouviu falar no bairro Jardim Rodolfo Pirani ? A homenagem é realmente merecida quando descobrimos a história deste homem que trouxe tantos empregos em São Paulo. Quando falamos de Lojas Pirani as pessoas de mais idade lembram-se da famosa rede lojas que existia aqui na Cidade Paulista.
Rodolfo Pirani nasceu em Osimo, Itália, em 3 de julho de 1891 e chegou ao Brasil com sua família com apenas cinco anos de idade. Com talento desde muito jovem para os negócios, inaugurou as Casas Pirani famosa rede de lojas que logo cresceu rapidamente. Era considerado um patrão muito preocupado com o bem estar de seus funcionários e com as condições de trabalho. Suas lojas Pirani foram um sucesso e até hoje a marca está presente na memória de muitos paulistanos. Faleceu em 8 de maio de 1964, mas não sem deixar sua marca na história dos estabelecimentos comerciais de São Paulo.
12 – O GRANDE EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DE CIGARROS (Rua 37 / Terreno 22)

Sepultado neste belíssimo mausoléu, está o poderoso empresário Sabbado D`Angelo. Era dele a Sudan, uma das maiores indústrias brasileiras de tabaco. Em uma época que não haviam as restrições e proibições que são impostas ao fumo, seus cigarros eram dos mais queridos e consumidos na São Paulo antiga. Algumas de suas marcas eram sinônimos de enorme sucesso de vendas, como o “Diamante Negro”, que homenageava o então jogador Leônidas. Hoje as embalagens do cigarro “Diamante Negro”, bem como outras produzidas pela Sudan são disputadas a tapa por colecionadores.
O Comendador Sabbado D`Angelo faleceu na década de 30.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Tomara que o Ronaldo Esper não descubra isso. Ele é "colecionador" e "preservador" de obras de arte em cemitérios. Belo post.
    bjs

    ResponderExcluir

Comentários com ofensas não serão aceitos.