Riqueza Natural

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Como surgiu a cueca e suas mudanças com o passar dos anos!




Até dois séculos atrás, os homens vestiam-se com tanto brio quanto as mulheres. Mas então suas roupas e, em particular, suas roupas íntimas, ganharam linhas e cores mais discretas. As diferenças de anatomia sempre ditaram moda da roupa íntima entre homens e mulheres. Para as mulheres, a roupa íntima sempre enfatizou mais a sexualidade que a praticidade.
A roupa íntima masculina sempre foi primeiramente funcional, de acordo com a forma do corpo masculino, feita com tecidos macios e protetores. O exemplo mais antigo da roupa íntima masculina data das era dos homens das cavernas. São descritas por estudiosos com um longo pedaço de linho moldado como um triângulo com tiras nas pontas. Eram amarrados ao redor dos quadris e laçados por entre as pernas; depois, com as tiras, eram amarrados novamente nos quadris.
No século XII, com o desenvolvimento das armaduras de platina, as faixas de linho que eram usadas como proteção contra o metal áspero começaram a ser usadas pelos cavaleiros. Desde então, estes tecidos são considerados os reais antecedentes da roupa íntima masculina. Mais tarde, as cuecas, freqüentemente amarradas abaixo dos joelhos com fitas ou alfinetes, encurtaram e foram costuradas.
As roupas masculinas do século XVI eram tão brilhantes e coloridas quanto as femininas. Eram feitas de seda, tafetá e outros tecidos nobres, enquanto as roupas íntimas eram feitas de linho, pois era o único tecido lavável. Na década de 1830, as roupas íntimas masculinas feitas de flanela e algodão se tornaram comuns e muito usadas.
Em 1895, o catálogo das lojas Montegomery Ward ofereciam roupas íntimas masculinas feitas de algodão e flanela, mas divididas em duas peças, nas cores cinza e o bem popular vermelho. Após a Revolução Francesa, a aristocracia inglesa tornou-se o modelo da moda masculina. O que usavam eram roupas confortáveis e casuais. Com exceção de ocasiões formais, os calções deram lugar à calças mais justas, acompanhadas de botas. Através dos séculos, alguns homens, principalmente os militares, usavam roupas íntimas parecidas com os corsetes que diziam facilitar a vida em tempos de guerra.
Em 1908 as lojas Sears lançaram catálogos oferecendo corsetes masculinos para militares. Os "shortes íntimos" forram as novidades que chegaram com o século XX. As cuecas passaram a ser fabricadas com tecidos e elásticos e se tornaram mais confortáveis. Não podemos deixar de mencionar o grande estilista dos tempos modernos, Calvin Klein, cujas propagandas provocantes levaram a moda íntima masculina ao auge no início dos anos 80. Ao contrário da roupa íntima feminina, que tem um aspecto mais sexy, o princípio da roupa íntima masculina é o conforto e a simplicidade, motivo pelo qual os shortes chamados "samba-canção" se tornaram muito comuns nos anos 80.
Nos anos 90 a lingerie masculina evoluiu e não está pautada só no slip (modelo tradicional), aceitou o calção de malha e todas as formas de produtos derivadas do esporte, como os modelos ciclista, boxer e shortes. A novidade são as fibras e microfibras que compõem uma lingerie de corte bem estudado e com costuras invisíveis para não machucar. Para o dia-a-dia, as lingeries são 100% de algodão.
Não existe nada mais broxante do que uma cueca com elástico frouxo e gasto ou mesmo com pequeninos furos puídos pelo tempo.
A atitude fashion de uma pessoa deve ser total e irrestrita. Nada mais anti-fashionista que uma underwear que não complementa o estilo de cada um. Alexandre Herchcovitch em parceira com a tradicional marca de cueca Zorba, lançou uma linha especial que leva a sua assinatura. Unanimidade quando o assunto é perfeccionismo, Herchcovitch pinçou tendências internacionais e desenvolveu peças com detalhes muito particulares que prometem fazer a cabeça dos consumidores modernos e ousados. São modelos que trazem botões em metal aparente lembrando muito as cuecas dos anos 60 e 70, porém, com toda a tecnologia adotada nos dias atuais. São modelos slip básica com transfer da famosa caveira (marca registrada de Alexandre), tipo boxer em cotton-Lycra, e samba canção em meia malha. Todas as peças trazem no elástico da cintura a marca Herchcovitch; Alexandre.
Objeto de desejo imperdível!
A LOMBRE, outra marca bem conhecida e tradicional no segmento de cuecas, trouxe para esta temporada mais de 17 modelos, variando assim os tecidos, padronagens e recortes anatômicos.
Tecnologias modernas na fabricação foram agregadas ao produto final permitindo a sensação de maciez, toque suave e elasticidade na medida certa. Dentro de um conceito único e inovador de conforto e bem-estar, a Trifil comercializa underwear masculino com uma tecnologia de ponta, utilizada até então, em peças de underwear feminina.
O sistema “Seamless” (sem costura) adotado agora em cuecas, permite efeitos realmente significativos de total conforto com modelagem ajustada e aderência total à pele, tudo isso, graças a não utilização de costuras. Resultado final, satisfação garantida e sensação de liberdade para o seu júnior.

                                          Modelo de cueca mas moderna. 
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Muito interessante o post. No início a cueca parecia com uma calcinha de mulher hoje.rsss
    abs.
    Eloy

    ResponderExcluir
  2. Concordo contigo José parecia calcinha de mulher de hoje, rsrs volte sempre bjs.

    ResponderExcluir

Comentários com ofensas não serão aceitos.