Riqueza Natural

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Alexandre o grande tinha superstição religiosa herdada possivelmente de sua mãe Olímpia.



-

Alexandre era inteligente e caprichoso. Possuía uma ambição desmedida, uma imaginação poderosa e as qualidades superiores de um verdadeiro chefe guerreiro. 
Era também conhecido pelo seu feitio violento e impetuoso e por ser invadido frequentes vezes por uma espécie de superstição religiosa, herdada possivelmente de sua mãe Olímpia. 
A estes dotes de espírito, aliava uma resistência física invulgar, uma força hercúlea e uma vontade de ferro. Tinha a paixão da música e da poesia. Admirador entusiasta dos heróis da Ilíada, sonhava tornar-se num novo Aquiles. Estava talhado para conquistar um grande império.
Senhor do poder após a morte do pai, Alexandre dirigiu-se à Grécia e fez-se aclamar generalíssimo da Liga de Corinto. Em seguida, promoveu uma expedição contra os bárbaros que ameaçavam as fronteiras norte da Macedónia.
Quando caminhava em direcção ao Danúbio constou, na Grécia, que falecera. Esta notícia despertou o patriotismo dos Tebanos que se revoltaram e cercaram a guarnição Macedónica. Alexandre suspendeu a campanha, desceu à Grécia, tomou Tebas, destruiu a cidade e vendeu 30 mil Tebanos como escravos. Só poupou os templos e a casa do poeta Píndaro, em sinal de respeito pela religião e pela cultura helénica.
Este acontecimento convenceu Alexandre de que era difícil acabar com o espírito de independência dos gregos. Só uma expedição contra os persas, pensou ele, seria capaz de lhes fazer esquecer a liberdade perdida. Retomou, por isso, o projecto de seu pai e preparou-se para a conquista do Império Persa.

EXÉRCITO DE ALEXANDRE

O exército de Alexandre, composto de cerca de 32 mil homens, pôs-se finalmente em movimento em 334 a. C.
Após a travessia do Helesponto, Alexandre penetrou na Ásia Menor, visitou as ruínas de Tróia, em memória de Aquiles, o seu herói preferido, e aproximou-se de Granico, em cujas margens derrotou os persas. Em seguida, depois de haver conquistado várias cidades, partiu para o sul, derrotou, na batalha de Isso, o exército persa de Dario III, tomou a Fenícia e marchou em direcção ao Egipto, onde fundou a cidade de Alexandria.
Alexandre, o Grande

Batalha de Isso segundo um mosaico da época romana, encontrado em Pompeia. À esquerda, Alexandre e, ao centro, o seu adversário Dario III.
De África voltou novamente à Ásia. Bateu os persas em Arbela, entrou na cidade de Babilónia, onde foi magnificamente recebido, e correu em perseguição de Dario que, entretanto, morria assassinado.
Depois destes sucessos, Alexandre, que pensava já na conquista da Índia, pôs-se em marcha para Oriente e tomou o Pendjab. Aí, o seu exército, extenuado por tão longa caminhada, recusou-se a continuar.
Alexandre desceu então o rio Indo e regressou a Babilónia onde morreu passado pouco tempo (323 a.C.).
O projecto grandioso que concebera de fundir num único Estado, a Península Balcânica, a Ásia e os países do Mediterrâneo Oriental terminara aí. Tinha apenas 32 anos.
Alexandre, o Grande
Alexandre, o Grande
Mapa que ilustra as conquistas de Alexandre
Para manter este imenso império, Alexandre tomou uma série de medidas políticas de grande alcance. Começou por estabelecer uma política de união entre vencidos e vencedores por meio de casamentos. Ele próprio deu o exemplo casando com uma persa. Depois, abriu as fileiras do exército aos soldados e oficiais inimigos, fundou cidades e criou colónias militares, destinadas a espalharem a civilização entre os povos bárbaros. Cercou-se de sábios e artistas que encarregou de darem a conhecer a cultura helénica. Vulgarizou o uso da língua grega, desenvolveu o comércio e a indústria e intensificou as relações entre o Oriente e Ocidente.
Alexandre, o Grande
Busto de Alexandre
“Era sua vontade tomar toda a terra habitável sujeita à mesma razão e todos os homens cidadãos do mesmo governo.”
Plutarco, cit. in Bonnard, 1972, II :203
Atendendo às qualidades de organizador de que deu provas durante a sua curta existência, se Alexandre tivesse vivido por mais anos, é natural que o seu império se mantivesse, apesar de composto por povos tão diferentes na raça, no feitio, nas tradições e nos costumes. Mas, desaparecido o seu fundador, desapareceu também a força que mantinha unido o seu império. As diversas províncias começaram de imediato a manifestar desejos de independência, desejos esses que os respectivos governadores, todos generais de Alexandre, acalentaram.
É assim que, vinte e dois anos depois da morte de Alexandre, os generais retalharam o império em seu próprio proveito (301 a. C.). Dos destroços do império vieram a formar-se quatro reinos que passaram a ter vida independente. 
Para um lado, ficou a Península Helénica com a Macedónia; para outro, o território que, da Síria, avançava até ao Indo; para outro ainda, a zona que, da Ásia Menor, corria até ao Danúbio e, finalmente, o Egipto com a parte da Ásia que ia da Arábia até à Palestina.Alexandre era filho de Filipe II da Macedônia e de Olimpíada, a filha de Neoptólemo de Épiro. Filipe, também um grande líder, trouxera toda a Grécia sob seu comando antes de ser assassinado, em 336 a.C. 
O jovem Alexandre cresceu em Atenas, à sombra de seu pai e do grande filósofo Aristóteles, que foi seu professor. Aos vinte anos de idade, quando já era um homem destinado à grandeza, ele sucedeu seu pai. Embora Alexandre tenha governado somente por treze anos, durante esse tempo foi capaz de construir um império maior do que qualquer outro que já havia existido.
Alexandre, o Grande

Imperador da Macedônia (356-323 a.C.). 
Com apenas treze anos no poder,
construiu um dos maiores impérios da Antiguidade.
Alexandre era filho de Filipe II da Macedônia e de Olimpíada, a filha de Neoptólemo de Épiro. Filipe, também um grande líder, trouxera toda a Grécia sob seu comando antes de ser assassinado, em 336 a.C. O jovem Alexandre cresceu em Atenas, à sombra de seu pai e do grande filósofo Aristóteles, que foi seu professor. Aos vinte anos de idade, quando já era um homem destinado à grandeza, ele sucedeu seu pai. Embora Alexandre tenha governado somente por treze anos, durante esse tempo foi capaz de construir um império maior do que qualquer outro que já havia existido.
Ele estava destinado a realizar aquilo em que os persas falharam um século antes: estabelecer um vasto império que enquadrasse tanto a Europa como a Ásia e que se estendesse da Grécia à Índia. É por isso que o conhecemos como Alexandre, o Grande.
Depois que Alexandre derrotou o imperador persa Dário III (558-486 a.C.) na Batalha de Íssus em 333 a.C., o Império Persa ruiu. Com 33 anos de idade, Alexandre governava cinqüenta vezes mais terras e vinte vezes mais pessoas do que havia no império grego quando ele o havia herdado de seu pai. Esse imenso território incluía a Grécia, o Egito, todo o antigo Império Persa e tudo o que hoje consideramos como o Oriente Médio. Ele marchou para norte até o Danúbio, na Europa; para o leste, até o Ganges, na Índia; e chegou mesmo a enviar uma expedição para o interior da África na tentativa de encontrar a nascente do Rio Nilo.
Na época de sua morte, em 323 a.C., Alexandre foi considerado o maior general e o maior "construtor" de impérios que o mundo já havia conhecido. Mesmo hoje, 24 séculos mais tarde, ele não chega a ter mais do que seis rivais em termos de realizações.
Embora Alexandre fosse um líder carismático, a maior importância de seu império foi que, pela primeira vez, pôde haver uma troca livre de idéias entre as culturas de duas vastas regiões que, até então, haviam permanecido isoladas uma da outra. Ao contrário de outros líderes vitoriosos, Alexandre não somente foi receptivo às idéias dos povos conquistados como também adotou algumas delas que conheceu na organização política persa. Por outro lado, a arte grega também pode receber grande influência da indiana. Antes de sua morte prematura, por causa natural, aos 33 anos de idade, Alexandre construiu a cidade de Alexandria, no Egito, cuja preciosa biblioteca sobreviveu durante mil anos e acabou se tornando o maior centro de conhecimento do mundo.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

3 comentários:

  1. Maior General de todos os tempos, ainda hoje nas guerras modernas, é imitado naquilo que fez, conseguia ler o movimento de seus inimigos, isso fazia dele sempre um homem na frente dos acontecimentos !!

    ResponderExcluir

Comentários com ofensas não serão aceitos.